Presidente da Argentina envia projeto de aborto ao Congresso

  • 19/11/2020

Presidente da Argentina envia projeto de aborto ao Congresso

O presidente argentino, Alberto Fernández, enviou à Câmara dos Deputados um projeto que descriminaliza e legaliza o aborto nas primeiras 14 semanas de gestação junto com o chamado Plano de 1000 dias de acompanhamento da maternidade em situação de vulnerabilidade e até a primeira 3 anos de vida de meninos e meninas.

“A legalização do aborto salva a vida das mulheres e preserva sua capacidade reprodutiva, muitas vezes afetada por abortos inseguros. Não aumenta o número de abortos nem os promove. Só resolve um problema que afeta a saúde pública”, disse o presidente em mensagem gravada publicada em sua conta no Twitter, ao anunciar envio de ambas as iniciativas.

Um detalhe na roupa do presidente não passou despercebido, informou o Clarín. Fernández escolheu a gravata verde, cor símbolo da Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Gratuito, pela qual milita há quinze anos.

O projeto de 20 artigos reafirma também o compromisso do Estado Nacional, das províncias, da Cidade Autônoma de Buenos Aires e dos municípios com a garantia da educação sexual integral "mediante o estabelecimento de políticas ativas de promoção e fortalecimento da saúde sexual e reprodutiva dos toda a população "e cria sanções penais para" o funcionário público ou a autoridade do estabelecimento de saúde, profissional, efetor ou pessoal de saúde que injustificadamente atrasar, obstruir ou recusar, em violação dos regulamentos atuais, a prática um aborto em casos legalmente autorizados". Ao mesmo tempo, considere a objeção de consciência.

Por outro lado, o projeto de lei de contribuição extraordinária de solidariedade que pudesse ajudar a mitigar os efeitos da pandemia obteve 133 votos na Câmara dos Deputados e após sua sanção foi encaminhado ao Senado para seu tratamento e eventual aprovação.

O projeto de lei estabelece a criação de uma Contribuição Solidária e Extraordinária para patrimônios superiores a 200 milhões de pesos argentinos para arrecadar 300 bilhões da mesma moeda para despejar em planos produtivos e de saúde.

Estima-se que a nova lei atinja menos de 10 mil pessoas, segundo estimativa da Administração Federal da Receita Pública (AFIP), ou seja, 0,8% do total de contribuintes que apresentaram declaração de bens móveis.

‘Algo primitivo’

No Brasil, a ministra Damares Alves (Família, Mulher e Direitos Humanos) falou sobre a possibilidade de o aborto ser legalizado na Argentina. “Fico indignada, em pleno 2020, as pessoas ainda falarem de legalizar o aborto, algo tão primitivo, tão animalesco”, disse.

Para ela, os países tinham que estar lutando por mais planejamento familiar.

Damares disse que o aborto não é prazeroso para nenhuma mulher, inclusive para aquela que levanta cartazes pedindo a legalização. “Quando ela passa pelo aborto, sabe que não é prazeroso”, afirmou.

A ministra defendeu que o aborto não pode ser usado como método anticonceptivo, e que não é planejamento familiar. Ela afirmou que o procedimento é agressão ao corpo da mulher e é assassinato. “Eu não tenho vergonha de falar. Não tenho medo de falar. É assassinato”, disse.

“O que nós temos que ter no Brasil - o que a Argentina tinha que estar lutando – é por mais políticas públicas. Investimento em políticas públicas de planejamento familiar. Será que é mais barato o aborto? É mais fácil fazer o aborto do que fazer políticas públicas de verdade e de planejamento familiar?”, questionou.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/noticias/presidente-da-argentina-envia-projeto-de-aborto-ao-congresso.html

Aplicativos


Locutor no Ar

AutoDJ

Só Louvor

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Top 5

top1
1. Samuel Messias

Todavia me Alegrarei

top2
2. Delino Marçal

Deus de Perto

top3
3. Luma Elpidio

Te Entreguei Meu Coração

top4
4. Paulo Neto

Tua Presença

top5
5. Jayana Moreira

Ninguém Viu

Anunciantes